23Julho2019

NOTÍCIAS ESPORTE Jéssica "Bate-Estaca", nocauteia Rose e Aldo e Anderson Silva são derrotados

farmacias-de-plantao

Jéssica "Bate-Estaca", nocauteia Rose e Aldo e Anderson Silva são derrotados

Paranaense é a terceira brasileira a ser campeã do UFC e presenteia o técnico Gilliard Paraná com o cinturão

Jssica-Bate-Estaca-nocauteia-Rose-e-conquista-cinturo-do-UFC-01

A pressão de fazer uma luta válida por cinturão no Brasil já era grande. Fechar o evento em que José Aldo e Anderson Silva foram derrotados no Rio de Janeiro, ainda mais. E ter pela frente a campeã peso-palha do UFC Rose Namajunas só aumentou o peso que a brasileira Jéssica Andrade tinha sobre seus ombros. A expressão amistosa dos meses anteriores deu lugar ao olhar concentrado próprio de grandes campeãs, que sabem que nada as abalará. Fazendo jus ao apelido de "Bate-Estaca", a brasileira conseguiu erguer e derrubar a americana, aplicando um nocaute brutal aos 2m58s do segundo round, tomando para si o cinturão peso-palha (até 52,2kg) do UFC e lavando a alma dos fãs cariocas na luta principal do UFC Rio 10.

- Estou muito feliz. Mas esse cinturão é desse cara aqui. Sem ele eu não teria chegado aqui hoje. Se ele não tivesse montado a academia dele na sala da casa da mãe dele, eu não estaria aqui hoje. Filho de pedreiro e de faxineira, o cinturão é seu. Eu voltei muito consciente do que eu tinha que fazer no segundo round. Ela voltou mais lenta e eu dei um bate-estaca. Eu nunca dei um bate-estaca na minha vida. Precisou de muita dedicação, mas hoje deu certo - disse a nova campeã após a luta, presenteando seu mestre Gilliard Paraná, líder da PRVT.

Com a conquista do título nesta noite, Bate-Estaca chega a 20 vitórias na carreira, que ainda conta com seis derrotas. A lutadora paranaense emenda ainda o quarto triunfo seguido, após vir de vitórias contra contra Claudia Gadelha, Tecia Torres e Karolina Kowalkiewicz. São ainda oito vitórias nas últimas nove lutas. A única derrota foi na luta pelo título com Joanna Jedrzejczyk.

O cartel de Rose Namajunas ficou agora com oito vitórias e quatro derrotas. Aos 26 anos, a americana vinha de três triunfos seguidos, tendo vencido Michelle Waterson primeiro e depois batido Joanna Jedrzejczyk duas vezes com o cinturão em jogo.

- Vejo todo o esforço que os brasileiros fazem para lutar fora, e foi muito legal lutar aqui. É isso. Muito obrigada - disse a ex-campeã Rose Namajunas, recuperada do duro nocaute que sofreu.

Como foi a luta?

A campeã começou a luta fazendo o que se esperava: movimentando-se constantemente e aplicando golpes em velocidade, entrando e saindo rapidamente do raio de ação da brasileira. Jéssica tentava encurtar a distância, mas recebia socos rápidos em sequência. Na terceira tentativa de se aproximar, Bate-Estaca conseguiu erguer Namajunas por duas vezes, derrubando-a na segunda. A campeã, no entanto, mostrou estar preparada para a estratégia da rival, quase encaixando uma chave de braço assim que caiu. Jéssica teve de desistir da posição para não correr o risco de ser finalizada. A luta voltou a ser disputada em pé, e a americana conseguiu um knockdown a 1m30s do intervalo. Bate-Estaca, que já apresentava um ferimento no supercílio esquerdo, se recuperou, livrando-se ainda de uma tentativa de guilhotina, e partiu para o ataque em pé, acertando chutes na spernas e socos na cabeça da campeã, que absorveu os golpes.

A brasileira voltou para o segundo round disposta a atacar a americana, mas recebeu golpes em velocidade a cada vez que se aproximava. Namajunas mostrava maior precisão nos golpes, enquanto que Bate-Estaca parecia ir sem muita estratégia para o ataque, apostando na força e na contundência. A campeã atacava com mais técnica, mantendo Jéssica sob controle. Entretanto, quando teve uma nova chance de mostrar a sua força, a brasileira não a desperdiçou. Junto à grade, Jéssica ergueu Namajunas e a jogou no chão. A americana caiu com o pescoço no solo e imediatamente perdeu a consciência, ficando estática enquanto o árbitro encerrava a luta.

A Luta de José Aldo e Alexander Volkanovski

Jssica-Bate-Estaca-nocauteia-Rose-e-Aldo-e-Anderson-Silva-so-derrotados-02

"A trégua numa guerra serve apenas para fortalecer o inimigo". A frase de Sun Tzu, do livro "A arte da guerra", pode servir como síntese do que foi a luta entre José Aldo e Alexander Volkanovski. Enquanto teve fôlego para evitar os ataques do australiano, o brasileiro conseguiu se manter ativo na luta. Porém, quando cedeu espaço ao rival pelo cansaço na segunda metade da luta, o brasileiro viu as ações saírem do seu controle, sendo derrotado por decisão unânime dos juízes (triplo 30-27), perdendo pela segunda vez em cinco apresentações no Rio de Janeiro, e vendo sua sequência de duas vitórias consecutivas ser encerrada. Já Volkanovski, que mostrou tranquilidade e concentração no seu plano de luta durante todo o duelo, aumentou seu cartel para 20 vitórias em 21 lutas na carreira - sendo 17 consecutivas.

A Luta de Anderson Silva

Jssica-Bate-Estaca-nocauteia-Rose-e-Aldo-e-Anderson-Silva-so-derrotados-03

Anderson Silva deu mais um passo decisivo para a aposentadoria.

Ele é uma lenda do UFC. Foi campeão por seis anos dos médios. Poderia ter sido pelo menos mais um, se não tivesse se deixado levar pela obrigação de dar show contra o limitado Chris Weidman.

No Rio, ontem, ele enfrentou um lutador forte, voluntarioso. Mas absolutamente previsível: o norte-americano Jared Cannonier.

Na sua carreira de altos e baixos, Cannonier ainda avisou o que faria. Disse que o caminho para ‘acabar’ com Anderson Silva eram os chutes.

O brasileiro entrou para o octógono com o aval de uma carreira brilhante. Mas, melhor do que ninguém, ele sabe que tem 44 anos. E que os reflexos não são os mesmos. A explosão muscular, a velocidade, a resistência. Tudo piorou muito.

E o que se viu foi um lutador lento, sem movimentação, parado diante do truculento Cannonier. O norte-americano apenas cumpriu seu plano que havia anunciado.

Enquanto ameaçava a trocação, usava, na verdade, seus jabs para distrair Anderson. O que queria era os chutes poderosíssimos no joelho direito do brasileiro.

Faltavam reflexos para fugir das pancadas. Foram quatro chutes poderosíssimos. No quarto deles, os meniscos de Anderson não aguentaram e o lutador desabou no octógono.

Estava nocauteado, aos 4 minutos e 41 segundos do primeiro round e um balde de água gelada na torcida.

“Desculpa, galera. Nos treinos eu já estava com o joelho machucado. Não deu para segurar. Desculpa. Desculpa. Desculpa”, disse, envergonhado, o veterano, que deixa claro que o lutador excepcional que foi não existe mais.

O futuro de Anderson no UFC é incerto. Ele já está milionário e não consegue se impor diante dos top 10 da nova geração dos médios.

Redação Portal Linhares Em Dia

Com SportTV


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Se achar algo que viole os TERMOS DE USO, denuncie. Leia as PERGUNTAS MAIS FREQUENTES para saber o que é impróprio ou ilegal. 

Siga-nos no FacebookTwitter YouTube.

Convidamos você a fazer parte dos nossos canais nas redes sociais e navegar pelo nosso Portal de notícias Linhares Em Dia.


Nos LINKS abaixo, fique EM DIA com as notícias de outras editorias

EMPREGOS | CURSOS | CONCURSOS

ENTRETENIMENTO

ESPORTES

GERAL

POLÍCIA

POLÍTICA

SAÚDE.