COMEÇA A NASCER O MITO


Um mito surge dos rituais. Bernardo José dos Santos não escolheu virar mito, mas em um momento de entrega a uma causa nobre, salvar vidas, ganhou a carga simbólica necessária para se tornar herói.

Os marinheiros resgatados falaram aos quatro cantos a história do salvamento. Elogiavam a conduta do povo humilde da barra do Rio Doce, diziam a quem quisesse escutar sobre a bravura de um caboclo de 28 anos.

Duas semanas depois, no Forte São João, Caboclo receberia suas primeiras homenBernardo voltou à Barra do Rio Doce e à sua vida rotineira de pescador. Participou ainda de outros resgates de navios, mas nenhum tão dramático quanto o do "Imperial Marinheiro"; com o passar do tempo, ele acabou caindo no esquecimento. A medalha da Regente, por muitos anos, esteve guardada na residência de um comerciante da região, Cléris Moreira. Seu paradeiro atual é ignorado e suspeita-se que tenha sido roubada por alguém que desconhecia seu valor histórico.agens na capital da, na época, Província do Espírito Santo. Nessa mesma noite foi recebido pelo presidente, Antonio Ribeiro Leite de Almeida.

No dia 29 de Setembro aportou no Rio de Janeiro, capital do Brasil Império na época. À sua espera no salão de honra da residência Imperial estava a Princesa Isabel, que premiou o herói com uma medalha cunhada a ouro, um diploma e um envelope fechado. Toda imprensa fluminense e capixaba exaltavam a importância do fato. Nascia ali Caboclo Bernardo.

Bernardo voltou à Barra do Rio Doce e à sua vida rotineira de pescador. Participou ainda de outros resgates de navios, mas nenhum tão dramático quanto o do "Imperial Marinheiro"; com o passar do tempo, ele acabou caindo no esquecimento. A medalha da Regente, por muitos anos, esteve guardada na residência de um comerciante da região, Cléris Moreira. Seu paradeiro atual é ignorado e suspeita-se que tenha sido roubada por alguém que desconhecia seu valor histórico.