1070 24/04/2020 às 19:44 - última atualização 24/04/2020 às 19:49

Centrão sai em defesa de Bolsonaro e diz não haver clima para impeachment

Redação Portal Em Dia ES

A maioria afirma que a crise aberta agora reforça a necessidade de uma aliança em torno do presidente
Centrão sai em defesa de Bolsonaro e diz não haver clima para impeachment. Foto Divulgação
Destoando até de apoiadores de Jair Bolsonaro que nesta sexta-feira (24) manifestaram críticas, o centrão assumiu a linha de frente da defesa do presidente da República e diz não haver, por ora, clima para impeachment.

Líderes do agrupamento de siglas como PP, PL, Republicanos, PTB, Solidariedade e PSD -esse último nega fazer parte oficialmente-, passaram as últimas semanas em encontros com Bolsonaro, que negocia a expansão da distribuição de cargos e emendas a essas legendas com o objetivo de criar uma base mínima que evite, exatamente, o desenrolar de um processo de impeachment.

Em linhas gerais, a maioria afirma ainda que a crise aberta agora reforça a necessidade de uma aliança em torno do presidente.

"O momento maior é de combate à pandemia, não podemos fazer com que a demissão de um ministro possa parar o país. Essa é a orientação do PL, que sempre preservou as condições de governabilidade", diz o líder da bancada na Câmara, Wellington Roberto (PB).

Para o deputado, que integra a legenda comandada por Valdemar Costa Neto, é preciso haver harmonia nesse momento. "O processo de impeachment é um processo complicado, para casos de uma gravidade muito grande, não vejo o país em condições de fazer um processo dentro do parlamento".

Embora não assuma abertamente, o PL negocia com Bolsonaro, entre outros, o comando do Banco do Nordeste.

A mesma linha de moderação é defendida pelo deputado Paulo Pereira da Silva, presidente do Solidariedade.

"Nossa função neste momento é garantir governabilidade para ele tocar o país. Temos 400 mortes por dia e uma crise econômica sem precedentes. Se alguém imagina que tem que tirar o presidente, não conte comigo", afirma.

Políticos desse bloco, vários deles alvo de casos da Lava Jato em tramitação no Supremo Tribunal Federal, são conhecidos críticos da atuação de Sergio Moro como juiz da Lava Jato e mantiveram uma atuação contrária a seus interesses depois que ele assumiu o Ministério da Justiça.

No início do governo Bolsonaro, o centrão participou de articulações para retirar das mãos de Moro o comando do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e para esvaziar o projeto com medidas de endurecimento de leis penais conhecido como pacote anticrime, proposto pelo ministro.

Agora, alguns desses políticos questionam nos bastidores as declarações feitas por Moro ao anunciar sua saída do governo -indício de que o bloco está disposto a rebater o ex-juiz para dar respaldo político a Bolsonaro.

Eles apontam que a acusação de Moro de que o presidente queria acesso a investigações da Polícia Federal precisa ser provada. Acrescentam que, se o ex-ministro sabia desses fatos, ele teria sido cúmplice do crime que denunciou.

Um processo de impeachment só tramita com autorização do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que, embora hoje rompido com Bolsonaro, não tem demonstrado disposição, dizem integrantes do centrão, de deflagrar o processo.

Caso haja essa autorização, é preciso o voto de pelo menos 342 dos 513 deputados para que o Senado seja autorizado a processar o presidente, momento em que ele seria afastado do cargo.

O centrão reúne um bloco de deputado que, somados aos bolsonaristas remanescentes no PSL, está em torno de 190 parlamentares, ou seja, pouco mais do que o mínimo necessário para barrar eventual processo (172).

Presidente do PTB e um dos mais novos defensores de Bolsonaro, o ex-deputado Roberto Jefferson, disse lamentar a saída de Moro do governo, mas também adota um tom de cautela.

"O presidente tem a versão dele, e o ministro tem outra. Se ele tiver provas, cria uma situação difícil para o presidente, mas é preciso sustentar com provas. Se não houver, são declarações sem valor", afirma.

Jefferson, no entanto, criticou o momento da demissão. "O Moro deu um banho de água fria no Brasil. A ação dele foi tão ruim como a invasão do vírus da Covid-19. Não era hora de ele sair."

O presidente do PTB foi escudeiro de Fernando Collor até seu impeachment, em 1992, e disse que Bolsonaro "não é um zumbi" como o ex-presidente em seus momentos finais no poder.

Ele afirmou ainda não acreditar em um pacto de governabilidade entre Bolsonaro e o centrão.

"Isso não existe. Eu vi isso acontecer lá atrás com o Collor. Isso é conversa de esperto para tirar vantagem do governo. Ou tem condição de governar ou não tem. Se não tem, melhor que ele siga o caminho dele", disse.

Alguns dos líderes do centrão concordam com o diagnóstico de que Bolsonaro sai fragilizado do confronto aberto com Moro e, por isso, precisará ainda mais do apoio desses parlamentares. Isso faz com que o passe do bloco se valorize nas negociações com o Palácio do Planalto.

Apesar disso, reconhecem que há um alto grau de imprevisibilidade sobre o cenário político dos próximos dias e semanas, o que pode mudar qualquer cálculo feito nesta sexta.

Estão em negociação com o centrão órgãos como o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, a Funasa (Fundação Nacional de Saúde), o Banco do Nordeste e a Secretaria de Vigilância em Saúde, além de discussões sobre a recriação do Ministério do Desenvolvimento.
 
 
 

Fique em dia

  1. 1

    1 - Por que ex-aliados do presidente adotaram termo 'bolsopetismo' para atacar governistas Por que ex-aliados do presidente adotaram termo 'bolsopetismo' para atacar governistas
  2. 2

    2 - Ator Mário Frias é nomeado e sucederá Regina Duarte como secretário de Cultura Ator Mário Frias é nomeado e sucederá Regina Duarte como secretário de Cultura
  3. 3

    3 - Saída de Teich é a décima mudança ministerial no governo Saída de Teich é a décima mudança ministerial no governo
  4. 4

    4 - Aprovação de Trump cai com escalada de mortos por covid-19 nos EUA Aprovação de Trump cai com escalada de mortos por covid-19 nos EUA
  5. 5

    5 - Bolsonaro diz que decisão de Moraes foi 'política' e que vai recorrer da suspensão de ... Bolsonaro diz que decisão de Moraes foi 'política' e que vai recorrer da suspensão de ...
  6. 6

    6 - Centrão sai em defesa de Bolsonaro e diz não haver clima para impeachment Centrão sai em defesa de Bolsonaro e diz não haver clima para impeachment

Enquete

Resultado

Você acha que o Isolamento social é a melhor estratégia de combate ao coronavírus?


  • Sim
  • Não

 
 
 
 

Filme em Cartaz

 

BOLETIM

Receba nossas notícias por e-mail.

)
Logomarca